BLOG

Como evitar problemas na reforma do banheiro

Nesta reforma, a arquiteta Marina Carvalho manteve o layout, mas mudou todos os acabamentos: piso de porcelanato, bancada de granito branco Itaúnas, parede revestida de pastilhas hexagonais e móvel com laminado verde | Foto: JP Image

A arquiteta Marina Carvalho preparou um checklist para que obra no ambiente aconteça de forma tranquila e traga o resultado desejado: um espaço mais bonito, bem aproveitado e que deixa os moradores felizes

Há muitas razões para reformar o banheiro. Ele pode estar com acabamentos antiquados ou deteriorados, ter uma distribuição mal resolvida ou apresentar problemas graves, causados por falta de manutenção, como vazamentos e infiltrações. Se chegou a hora de renovar o espaço, é melhor se prevenir contra as dores de cabeça mais comuns nesse tipo de obra. A arquiteta Marina Carvalho preparou um checklist bem simples, com uma série de questionamentos e dicas, para que você chegue ao final da reforma com um banheiro lindo e prático, sem se estressar pelo caminho.

Comece pelo planejamento

Elabore uma lista do que precisa ser mudado, assim você consegue ter uma dimensão do tamanho da empreitada. Nesse momento, vale consultar um especialista em elétrica e hidráulica para que ele avalie se as instalações estão em condições de serem aproveitadas ou deverão ser substituídas. Caso ainda não tenha feito isso, aproveite a oportunidade para adotar produtos que economizam água, como válvula de duplo fluxo e torneira com arejador. Depois, coloque no papel qual o orçamento disponível para a obra e em quanto tempo deseja que ela fique pronta. As informações reunidas até aqui são cruciais para orientar a criação do projeto de reforma, direcionar a escolha de materiais e embasar todas as decisões que envolvam gastos. “Sempre reforço para meus clientes que a falta de planejamento resulta em atrasos e outros problemas que podem transformar o sonho do banheiro novo em pesadelo”, alerta a arquiteta.

 

As instalações hidráulicas, assim como o layout do ambiente, foram preservadas nesta reforma capitaneada por Marina Carvalho. Mas houve troca de revestimentos: o piso ganhou porcelanato de visual amadeirado, e as paredes, azulejos brancos (na área seca) e verdes (no fundo do box) | Foto: Evelyn Müller

Identifique gostos e necessidades

Nesta etapa, a ideia é esmiuçar as questões funcionais. “Sugiro que o morador faça perguntas a si mesmo, como: ‘de quais itens de conforto sinto falta?’, ‘o que pode melhorar na organização?’ e assim por diante. As respostas possibilitam desenvolver o conceito do novo ambiente”, relata Marina. Pense em como você usa o espaço e no que armazena ali. O box tem um tamanho satisfatório ou precisa crescer? Os produtos de higiene são muitos ou poucos? Prefere armário com gavetas ou só prateleiras? A superfície da bancada comporta tudo o que é necessário? Essa é a hora de refletir se você quer incorporar algum novo luxo ao projeto. Sonha com uma banheira? Quer ter duchas separadas para o casal? Por outro lado, se a ideia for economizar, faça uma lista do que há no banheiro atual e pode ser reaproveitado — esses itens terão de ser removidos com cuidado e ficar protegidos em outro local ao longo da obra.

Tenha um projeto

Segundo Marina, contar com um projeto bem pensado e coeso é fundamental para o sucesso da reforma. O arquiteto é o profissional mais indicado para propor soluções como redistribuição das áreas de uso pelo espaço, mudanças de pontos de água e energia, seleção dos materiais adequados para cada superfície e desenho inteligente da marcenaria, sempre levando em conta o melhor resultado estético e o custo/benefício para o morador. Além disso, se o arquiteto também for contratado para o acompanhamento da obra, ele poderá supervisionar de perto a qualidade da execução e ajudará a manter o cronograma no ritmo adequado, de modo a evitar atrasos na entrega. Contar com uma equipe de confiança para a realização de todos os serviços é outro ponto crucial para alcançar o resultado esperado. Caso o arquiteto não tenha um time de profissionais experientes para recomendar, convém buscar indicações.

Neste reforma, Marina Carvalho manteve os azulejos brancos entregues pela construtora até meia parede e continuou com pintura epóxi. O mesmo verde coloriu a marcenaria e a arquiteta manteve a bancada de mármore branco piguês | Fotos: JP Image

Invista em louças e metais duráveis

Esse é um daqueles casos em que o barato sai caro. Não vale a pena gastar com itens de baixa qualidade, que precisarão ser substituídos em pouco tempo, principalmente quando se trata dos metais ligados ao fluxo de água, como misturadores, torneiras, chuveiros, duchinhas e registros, e das louças (bacia, cuba e banheira), que pedem limpeza constante. A dica é pesquisar com atenção no catálogo de grandes empresas: eles costumam dispor de linhas de design de ponta, que são caras, e outras mais básicas e em conta. Nessas últimas, embora o visual seja mais simples, a qualidade dos materiais se mantém, assim como as garantias oferecidas pelo fabricante. Veja qual delas cabe no seu orçamento e escolha produtos da mesma família para garantir unidade na linguagem do ambiente. O raciocínio também se aplica aos metais com função de apoio. “Sugiro que itens como toalheiro, porta-papel higiênico e ganchos sejam todos do mesmo modelo, material e tom”, recomenda Marina Carvalho. Detalhe importante: a instalação dos metais deve acontecer apenas ao fim da obra, quando o banheiro já estiver revestido, pintado e limpo. Isso porque o contato com  o pó de cimento e outros materiais abrasivos pode danificar o acabamento das peças.

Adotar um rejunte no mesmo tom das portas de serralheria do box deu charme extra aos azulejos comuns. Marina Carvalho também substituiu a antiga bancada por um modelo de quartzo branco e agora o vaso sanitário tem um design mais leve. |Foto: Evelyn Müller

Escolha revestimentos adequados

Marina ressalta que todo revestimento do banheiro deve ser próprio para receber umidade constante. “Atenção redobrada na escolha do piso, que precisa ser antiderrapante ou não polido”, comenta. O aspecto estético também precisa ser considerado. Há inúmeros tipos, cores e combinações. “Materiais com texturas deixam o espaço mais charmoso, contudo, recomendo parcimônia para não sobrecarregar o ambiente”, fala. Na hora de enumerar quais são seus revestimentos favoritos, lembre que, além de compor o visual, eles impactam diretamente em como será a limpeza do ambiente. Os pequenos formatos, como as pastilhas, resultam em mais linhas de rejunte e talvez não sejam a melhor opção para piso e paredes do boxe. Porcelanatos, mármores e pedras sintetizadas se tornam alternativas mais interessantes.

Combine opções de iluminação

Os pontos de luz no teto garantem a claridade geral, mas não atendem a atividades como fazer a maquiagem e a barba. Isso porque a luz proveniente de uma fonte no alto gera sombras sobre a bancada e no rosto. Vale contar com luz frontal, que pode vir de arandelas nas laterais do espelho, do próprio espelho (se for um modelo camarim, com lâmpadas embutidas) ou de uma fita de LED oculta. O projeto de iluminação do banheiro pode ser incrementado com balizadores para uso noturno, que não ofuscam os olhos.

Com uma disposição ruim e acabamentos antigos, o banheiro precisou passar por uma reforma radical. Marina Carvalho elegeu um revestimento pequeno para se adequar melhor à planta original do prédio, com áreas arredondadas | Foto: Evelyn Müller

Use objetos para dar um toque pessoal

A arquiteta sugere escolher acessórios que sigam a cartela de cores dos revestimentos do ambiente, pois dessa forma fica mais fácil manter a harmonia visual. Vale incluir uma bandeja para acomodar o que costuma ficar solto sobre a bancada. Além de organizar, ela facilita a limpeza da superfície, pois permite remover e recolocar os itens com rapidez. “Capriche também na seleção dos outros objetos, como dispenser de sabonete, porta-algodão e escovas de dente e caixas para a maquiagem. Para trazer mais vida, não se esqueçde preparar um arranjo de flores ou folhagens em vaso”, conclui Marina.